Check our facebook | Verifique o nosso facebook

- For more recent news and videos, regularly check our facebook page.
- Para notícias e vídeos mais recentes, verifique regularmente página de facebook.

Warning | Aviso

WARNING - Our blog and facebook page are permanently closed. Feel free to see the infos we have and share them, but we will not update anymore news. Take care and Be the Change.

AVISO - O nosso blog e página de facebook estão fechados em definitivo. Poderá verificar os artigos já colocados e os divulgar, mas já não iremos colocar artigos novos. Cumprimentos e Seja a Mudança.


Worldwide battle against GMOs - Know what you can do to help

Pictured above: London marching Against Monsanto and GM Foods, 25 May 2013.                                JHIH News: 6 June'13
Over 2 million keep up the pressure on GM FOODS, to drive them out of the fields; out of the stores and out of our lives - FOREVER. 
Dear Friends and Supporters,
The global march against Monsanto and GM Foods on 25 May’13 was a resounding success - with over 2 million taking part worldwide, it was peaceful, educational, joyous and ultimately TRIUMPHANT.  However, although it took place in over 250 cities across the globe, not one of the UK mainstream news media felt the health issues raised were important enough to cover. Instead, the media chose to focus our attention on terrorism; instilling more public fear; whilst ignoring the very ‘real global threat’ ofGenetically Modified Foods.  As we have outlined on numerous occasions in the past, this is how the media work hand in glove with Corporations, to prevent the truth reaching YOU, (the public).  And it didn’t stop there.  The week before the march, we asked all UK Political Leaders, Government Ministers & Members (in both Houses of Parliament), to sign our petition and look seriously into the issues surrounding GM Food production.  None responded or signed the petition to safeguard your human rights, health choices and the environment.  An incredibly poor result, however, we will keep pressing them and keep you updated.  Nevertheless, the march showed what can be achieved when we come together and take action.  Our Voices saying “NO!” ricocheted loud and clear throughout the world, leaving Corporate giants and Monsanto in no doubt that we mean business and intend to stop GM production globally.
worried about the foods you are consuming every day?

Click here to watch 7 minute CNN video, featuring the March Against Monsanto 

Reminder of the Issue:
To recap: in March 2013, a new Law was passed in America, giving GM producer ‘Monsanto’ absolute immunity against any harm their products could cause you, loved-ones, future generations & the environment. This means that Monsanto (the largest producer), can now legally unleash their genetically-modified seeds on to the world’s population. Sadly, the majority of people are unaware that they may have been consuming Genetically Modified Foods (GM) for over 20 years, which research has linked tocancer, infertility, birth defects, organ damage, premature deaths and much more.  For full details, please look at our previous news release. 

The march was just 'the beginning' but 'not the end' of GM production.  Therefore, we need to step up the pressure by not buying them, to ensure GM Foods are driven out of the fields; out of the stores and out of our lives - forever.  To do this effectively, we must demand the labeling of all GM products, so they can be easily identified.  NOT BUYING GM is the greatest tool we have to end global production and Corporate abuse.  So please remain vigilant; pro-active; shop smart and keep up the momentum.  To help get you started, we have listed a few pointers below.   

DID YOU KNOW,  over 60 Corporations oppose GM Food labeling, to prevent us knowing what is in their products?  These companies include Monsanto, Basf, DuPont, Bayer, Nestle, Pepsico, Coca Cola, Unilever, Welch's, Godiva Chocolatier, MaCain Foods, Dole, Kraft Foods, Heinz, Campbell Soup Company, Sara Lee, Del Monte, Kellogg's, Wrigley, Mars, McCormick, Morton Salt, Ocean Spray, General Mills, Sunny Delight Beverages Company, Cargill, Goya, Bumble Bee, Faribault, Smuckers, Knouse, Richelieu, Homel, Pinnacle, B&G, TreeTop, the Grocery Manufacturers Association (with over 300 members); and lots more.  

2. THE BEST WAYS TO AVOID 'GM Foods & Products'.
  • Eat Organic (from ‘trusted’ brands or sources)
  • Eat Less Dairy & Meat
  • Avoid GM Foods & oils such as soy, canola and corn
  • Avoid Processed & Fast Foods.
As a general rule; unless a food or product is clearly marked ‘ORGANIC’, then the main ones to avoid are ;-  Tofu, Breakfast Cereals, Margarine, Mayonnaise, Salad Dressings, Baking Powder, Vanilla Extract, Powdered Sugar, Peanut Butter, Tomato Sauce, Tamari, Corn Meal, Corn Syrup, Soy Flour, Soy Protein, Soy Cheese, Soy Sauce, Soy Lecithin, Fructose, Dextrose, Maltodextrin, Lactic Acid, Veggie Burgers, Bread, Biscuits, Cookies, Cereals, Enriched Flour, Enriched Pasta, Protein Powders, Textured Vegetable Protein, Most Meat Substitutes, Instant Infant Formula, Ice Cream & Frozen Yogurt, Hamburger & Hot Dog Buns, Citric Acid From Corn, Chocolate, Papaya, rice, Tomato, Rapeseed (Canola), Honey, dairy products, Potatoes, Zucchini and Yellow Squash, Avocado, Bananas, Pineapple, Kiwi.
 GM Plant & Vegetable varieties include...  
Beetroot, Broad Beans, Black Radish, Beet, Savoy Cabbage, Corn, Courgettes, Cauliflower, Celery, Cucumber, Curly Kale, Carrot, Chard, Climbing French Beans, Gherkin, Leek, Lettuce, Melon, Marrow, Onion, Parsley, Radish, Round Pea, Runner Beans, Spinach, Sugar Pea, Turnip, Tomato, White Cabbage, Winkled Pea.
An EU database of registered plant varieties offers a search tool for all the agricultural and vegetable plant varieties whose seeds can be marketed throughout the European Union. The database below provides rapid and easy access 

3. Look for ‘the CODES’. 
Use these Price Look-up Codes (PLU) to identify GM, ORGANIC or CONVENTIONALLY grown foods.
GM products                                         4 digit code starting with 3 or 4CONVENTIONAL products              5 digit code starting with 8ORGANIC products:                           5 digit code starting with 9
RELATED LINKS : More information on PLU codes

4. Download a handy GMO App to help you make healthier decisions when shopping.


5.   Do not consume ASPARTAME (artificial sweetener).
Research has confirmed over 92 different side-effects associated with ‘Aspartame' consumption including; cancer, brain damage, birth defects, blindness, migraine, hyperactivity, dizziness, hair loss, severe tremors, depression, anxiety, aggression, palpitations, nausea, abdominal pain, allergies, hives, weight gain, PMS, fluid retention, suicidal tendencies and lots more.
(Aspartame is contained in over 6,000 every day products including);- 
SOFT DRINKS: Diet Coca Cola, Coca Cola Zero, Diet Pepsi, Pepsi Max, Lilt Zero, Sprite Zero, Tango, 7up Free, Lucozade Sport, Schweppes Slimline Drinks, Fanta Zero, Fanta Orange, Dr. Pepper Zero, Diet Irn Bru, Oasis Fruits Extra Light, Oasis Citrus Punch, CORDIALS: Ribena Really Light, Robinsons Orange Squash, Robinsons No added sugar range, YOGHURTS: Muller Light Cherry, Muller Light Blueberry, Muller Light Raspberry, Muller Light Banana and Custard, Danone Activia Cherry, Weight Watchers Fromage Frais, Weight Weighters Toffee and Vanilla, CHEWING GUMS: Wrigleys Airwaves, Wrigleys Orbit, Wrigleys Extra), COOKING SAUCES: Uncle Ben's Sweet and Sour Light, CRISPS: Walkers Sensations Sweet Thai Chilli, Walkers Sensations Lime and Thai Spices, Walkers Prawn Cocktail: TABLE-TOP SWEETENERS: Canderel, Silver Spoon Sweetness and Light, Silver Spoon Light Granulated Sugar;DRINK POWDERS: Cadburys Highlights (all varieties):  Options Hot Chocolate Drink (all varieties).

With well over 2,432 views, this powerful 5 minute video, explains the truth behind the control of our ‘Food and Medicine’; plus the devastating impact it will have on humans, animals and the planet.  Watch and Share this video today -

‘The Nation Speaks "NO!" Not In My Name or Global Voices Unite’ today.

By signing our petition and quickly spreading the word, we can stop corporate abuse and protect the future.  To succeed, we need half the population in every country to SIGN.

Socialize - 
                                                                                 SUBSCRIBE TO our newsletter

Newsletter : Additional links on Monsanto and GM Foods :  

Remember, this is YOUR LIFE: YOUR WORLD: YOUR CHOICE:  So please exercise your Human Rights NOW to create a healthier, safer & happier future -  for ALL.

From Joining Hands In Health campaign teamFounder Dounne:Alexander MBE. FRSA

  • Honoured by the Queen with the MBE Medal for outstanding service to the British Food Industry.
  • Recipient of 11 National Awards including: 2011 Award for Human Right and 2011 Award for outstanding contribution to Complementary & Natural Medicine


Alimentação - Os venenos utilizados na agricultura e os graves problemas que causam

Tem conhecimento dos químicos sintéticos e muito tóxicos que de forma directa ou indirecta são utilizados na agricultura, e que muito prejudicam o ambiente, os animais e a nossa saúde?

Sabia que existe uma enorme corrupção entre empresas e os decisores políticos para proteger esta indústria mortífera e os lucros da mesma, mesmo implicando na morte de muitas pessoas?

Veja estes documentários para ter uma ideia da gravidade do problema e como ajudar a minimizar os riscos para a saúde e o ambiente.

Que solução?: Boicotar e pressionar governos e empresas não-éticas, e comprar apenas produtos vegetais, não OGM e de origem biológica, é a mais importante solução para reduzir de forma dramática este problema.


Grande Reportagem da TVI: A produção agro-alimentar coloca questões sérias de saúde pública. No espaço de 20 anos o numero de cancros em Portugal aumentou 735%. A segurança alimentar é umas das grandes preocupações do nosso tempo. Mandámos analisar dezenas de alimentos e os resultados vão por certo chocá-lo.


Você sabia que o Brasil é o país que mais pulveriza agrotóxicos nos alimentos? Que é o recordista em consumo desses químicos? Que um brasileiro consome em média 5,2 litros de agrotóxicos anuais?
Que os agrotóxicos provocam uma série de problemas de saúde, desde lapso de memória em crianças até má formação dos fetos? Que apesar do Governo tentar proibir uso de muitos químicos, a justiça concede liminares a favor das grandes corporações químicas?
Que para conseguir crédito junto aos bancos o pequeno trabalhador é obrigado a usar transgênicos e pesticidas? Que as doenças provocadas por esses químicos nos trabalhadores do campo consomem 1,8% do PIB em tratamentos médicos?


Pensa que o que come é seguro e que as empresas e instituições estatais preocupam-se com a segurança dos alimentos? Depois de ver este documentário irá perceber que a realidade é outra, baseada somente no lucro.

Um documentário importante e chocante sobre os efeitos muito nefastos da utilização de químicos sintéticos (como pesticidas, herbicidas, aditivos, entre muitos outros) na agricultura e alimentação, demonstrando que existe uma forte corrupção entre as empresas e governos / decisores políticos que protegem a utilização destes tóxicos por motivos económicos, contra o ambiente e a saúde das populações.

Como são examinados, avaliados e regulamentados os produtos químicos que são introduzidos na nossa cadeia alimentar, desde os campos de cultivo (os pesticidas) até os nossos pratos ( aditivos e plásticos alimentares)?
Existirá alguma relação entre a exposição dessas substâncias químicas com a actual "epidemia de doenças crónicas preveníveis" que a OMS tem constatado (certos tipos de cancros, patologias neurodegenerativas como o Parkinson, disfunção reprodutiva, diabetes, obesidade), sobretudo nos chamados paises "desenvolvidos"?


Sem-abrigo - Testemunhos comoventes de pessoas abandonadas pela sociedade

Sem-abrigo - Ninguém conta as suas vidas como eles.

Na gare do Oriente dormem 40 pessoas. Só em Lisboa há três vezes mais sem-abrigo do que as estatísticas nacionais atribuem a todo o país

Luís tem 43 anos e saiu de casa com 16. Eram 11 irmãos numa aldeia do concelho de Alcobaça. Em miúdo, o tempo era passado no campo, a trabalhar sem ganhar e a comer pouco. "Era uma escravidão. Para arejar, comprávamos um maço de tabaco e ficávamos fora até fumarmos os cigarros todos. Em casa levávamos." Chegou a Lisboa e começou a trabalhar nas obras. Um dia experimentou heroína com um colega e ficou 20 anos agarrado. O patrão metia-os na carrinha e a caminho do estaleiro parava para curarem a ressaca. "A minha vida é uma história de terror. Que quer que lhe conte?"

Aos 9 anos viu o melhor amigo morrer afogado, viu a mãe ser espancada e ficar em casa a aguentar - ainda lá está. Nunca mais falou com o pai, mas ela vai ligando. Deixou-se levar pela droga enquanto estava incluída no salário. Depois tornou--se difícil continuar a trabalhar daquela forma e quis parar de consumir. Começou uma desintoxicação numa comunidade terapêutica e parou antes do fim, a pensar que estava livre. Meses depois voltou ao mesmo. Há seis anos tentou uma segunda e ficou limpo. Acredita que é de vez, porque desce as ruas onde se injectam os velhos amigos e não se se sente tentado. Com mais baixos que altos, assume a depressão diagnosticada pelo médico. "Como é que podia ter acabado de outra forma?", remata. Instável, mas limpo, ainda arranjou trabalho. Pagava um quarto. Depois, outro depois, o serviço começou a falhar. Há cinco meses ficou na rua.

As histórias dos sem-abrigo que as aceitam contar são assim: cruas, rápidas, desarmantes. Perturbadoras por terem tantas vezes um rastilho antigo, casas onde faltaram os pais, onde faltou dinheiro. Onde sobejava álcool e violência. Ou simplesmente um azar. Há um antes e um depois que acaba na rua, seja a calçada, seja o caixote, a casa abandonada ou o albergue.
Luís conseguiu vaga no abrigo nocturno da AMI, na Graça, um dos seis espaços na cidade que faz que metade dos 2 milsem-abrigo sinalizados, números revelados pela vereadora Helena Roseta, não durmam na rua. Só por estes números, divulgados há duas semanas, percebe-se que é normal não se saber ao certo quantos sem-abrigo existem em Portugal, porque as estatísticas estão longe de espelhar a realidade. No último censo, o Instituto Nacional de Estatística contou 696 pessoas sem tecto. Só em Lisboa, pelos dados da autarquia, há o triplo. O INE só contabiliza quem está na rua. Fica de fora quem dorme em albergues, como o abrigo da AMI, que abre ao fim do dia e fecha pelas 9h. Fica de fora quem não está à vista.

Eles contam

Não gostam de falar, mas quando o fazem contam-se melhor que qualquer estatística. Vítor, 58 anos, casou--se com 22 anos. Jogador profissional de basquetebol, trabalhava na fábrica militar do Braço de Prata, a fazer munições. Perto dos 30, chegou ao fim a carreira no basquete e teve o seu depois. Apesar de ter casado jovem, e de ter um filho pequeno, o tempo livre e as amizades deram- -lhe a conhecer a noite e o álcool. Um dia, nesse mundo de descobertas tardias, experimentou a droga. "Eu era tão certinho que só percebi que viciava à primeira ressacada."
Só pararia 15 anos depois. Quando a fábrica fechou, propuseram-lhe um esquema parecido com o da mobilidade. Nunca houve outra colocação e por fim deram--lhe a escolher entre uma indemnização e um subsídio de desemprego. "Tive o discernimento de não pedir o dinheiro todo, sabia para onde ele ia", lembra.

Separou-se e a mulher levou o filho. Começou a falhar a pensão de alimentos e o tribunal ordenou que fosse descontada do subsídio. Sem conseguir largar a droga e sem trabalho, começou a andar na rua. "Um dia quis parar, mas entendi que podia fazê-lo a frio. Fui a um centro de desabituação e disseram-me que tinha de fazer a metadona. Disse não: não ia sair de uma para outra."

Encontrou apoio na Cais e agora está no abrigo nocturno da AMI quase há um ano. Fez um curso de cerâmica que dava rendimento para pagar um quarto, mas depois do estágio no Museu do Azulejo não conseguiu emprego. Entrou então num projecto destinado a recuperar a profissão de engraxador e hoje tem o seu posto de trabalho num café no centro de Lisboa. Todos os dias sai com a esperança de descolar, de o rendimento ser o suficiente para deixar o abrigo e voltar a ter um quarto sem que tudo se desmorone de repente, um medo que fica. "Num momento a pessoa tem a família e depois aparece a droga. Percebi a rapidez com que caímos. Eu tinha 30 anos, já não era um miúdo. No dia do funeral da minha mãe estava a ser julgado por roubo. Estava a ressacar e não podia ir assim para o funeral. Lembrei-me de roubar uma mala para comprar droga. Nunca o tinha feito. Tinha tanto jeito que me caíram cinco polícias em cima. A família nunca me perdoou e não o peço. Estou a pagar pelos meus erros."

O depois de José Moura, natural de Cabo Verde, mas com nacionalidade portuguesa desde a juventude, foi o desemprego. Foi manobrador de gruas durante 20 anos. Depois as empreitadas começaram a ser cada vez menos. As últimas grandes obras foram as torres de Sete Rios e um prédio na Lapa. Há um ano o serviço começou a ser tão precário que deixou de pagar a prestação da casa. O banco ficou com ela. Sem família que o possa ajudar, ficou primeiro na rua, depois nos bancos do aeroporto e por fim encontrou vaga no abrigo da AMI.

"Há sempre um princípio que nos leva à rua", resume Pedro, 33 anos. É daqueles que já estiveram em associações, já esteve em albergues nocturnos, já esteve simplesmente na rua. Vende na Feira da Ladra. Quando tem dinheiro fica numa pensão. Quando não tem, fica no aeroporto, onde o encontramos a pedir uma ceia à carrinha da Comunidade Vida e Paz. Não entra em estatística nenhuma. "O meu princípio foi quando me separei. Mas antes comecei a ir para a rua procurar o que não tinha em casa." Depois apareceu o álcool e a droga. Os factores misturam--se, as histórias enrolam-se. "Isto é um mundo clandestino. Nas associações é-se muitas vezes escravo. Dão-nos cama e comida, mas fazem de nós motoristas o dia todo e os presidentes aparecem com carrões. Numa, no Norte, até me proibiam de procurar trabalho. Alguns ficam com os subsídios e as reformas, ninguém controla nada. Nalguns albergues somos tratados como animais."

No aeroporto, melhor que abrigos ou ficar na rua, diz Pedro, os seguranças têm dias. "Às vezes metem-nos na rua ou implicam. Estão fartos de me ver e outro dia perguntaram-me se ia viajar e o que é que tinha na mala. Eram livros para vender, disse-lhe que se quisesse fazíamos já ali negócio. E viajar, se calhar um dia vou. Posso ganhar a lotaria."

Milho aos pombos

Dificuldades económicas, desamores, acidentes, droga, alcoolismo, doenças mentais. Nas conversas de rua há um fio condutor que torna as palavras de há umas semanas da vereadora Helena Roseta, na melhor das leituras utópicas e na pior redutoras. Helena Roseta descreveu as equipas de voluntários que distribuem refeições na rua como uma resposta a lembrar quem dá "comida aos pombos", defendendo a distribuição em locais onde quem precisa possa comer sentado e a criação de um hotel social, uma vez que a câmara não consegue responder a todos os pedidos de habitação.

Para quem conduz as carrinhas que distribuem refeições, as palavras de Roseta valem o que valem. Só a Comunidade Vida e Paz e o Centro de Apoio ao Sem-Abrigo (CASA) distribuem mil refeições todas as noites, 520 cada uma. "Não distribuir comida na rua é um bom princípio se houver condições para isso. Mas haverá sempre pessoas que não irão aos espaços da câmara. Se quisermos que comam temos de continuar a ir ter com eles", diz Jorge Correia, presidente da CASA, que acredita ainda assim que tem havido um esforço de articulação no terreno, liderado por Roseta, como nunca existiu nesta área. Pedro Sousa, director do abrigo nocturno da AMI, também acredita que será difícil resolver a realidade dos sem-abrigo com medidas como as propostas pela vereadora, mas vê lacunas. O abrigo da AMI, por exemplo, tem 26 vagas, o que contrasta com outros com mais de 100 onde os relatos que lhe chegam são de falta de condições. Ali há uma resposta personalizada, um encaminhamento com vista à reintegração e não apenas o tecto por uma noite, estruturas que entende que ainda fazem falta. Depois há o desafio das regras, que muitos não querem aceitar. "São pessoas livres, adultas, mas qualquer casa precisa de regras. É uma fronteira difícil."

A Igreja de Arroios é um ponto de distribuição de refeições onde se cruzam carrinhas de diferentes associações, outra realidade que Roseta contesta, defendendo que não faz sentido um sem-abrigo ser visitado por cinco equipas numa mesma noite. A partir das 20h há mais de uma centena de pessoas à espera junto às escadas da igreja. Algumas vão dormir ali, outras mais acima, na Travessa das Freiras. Mas a maioria dos que vêm buscar sacos de comida, roupa ou cobertores às carrinhas da CASA e Comunidade Vida e Paz, que vemos cruzarem-se como diz Roseta, não dorme na rua. Para quem está no terreno, esta procura por quem tem casa, mais ou menos precária, é uma das realidades em que se nota maior aumento de pedidos e justifica o trabalho intenso no terreno.

Vemos Marina duas noites seguidas. Com 27 anos, vive com o marido, a irmã, o cunhado e a mãe numa casa que diz estar a cair, com a casa de banho inoperacional. Conheceu o marido na rua, grávida de outro namorado. Chegaram a viver numa casa abandonada. A Segurança Social tirou-lhe a filha com poucos dias, faz três anos, e continua sem trabalho. Lá em casa só a irmã trabalha, faz limpezas numas escadas. Comem o que levam dali, conta. Levam mais de um saco, mas porque guardam para as refeições do dia seguinte. É jantar, pequeno-almoço e almoço. Tília, 57 anos, vive num quarto sem janela. Tosse muito enquanto a vemos ir às carrinhas também duas noites seguidas. "Tenho um quarto, mas fumam dentro de casa, fico atacada. Quase prefiro estar na rua." Quando recebe a pensão de invalidez paga a renda. Sobram 50 euros para remédios e comida. Não chega, por isso agarra o que consegue.

O que faz falta

Para quem está no terreno, as lacunas são consensuais: falta alojamento, emprego e respostas nos cuidados de saúde, sobretudo para doentes mentais. Se há a sensação que a crise fez disparar o número de pessoas na rua, mais em 2012 do que este ano, parecem dominar as situações desencadeadas por desemprego de longa duração, de portugueses mas também de imigrantes sem apoio familiar. Isabel Oliveira, da Comunidade Vida e Paz, assinala também o aumento de perturbações psicológicas. "Encontramos pessoas jovens que estavam estruturadas mas perderam o emprego e deixaram de conseguir pagar a medicação." Na voltas de distribuição de comida isso é evidente. Numa paragem de autocarro, um homem recebe o saco sem reagir. Vêem-no ali há alguns meses. "Uma vez disse-me que tem 12 anos. Não temos para onde sinalizá-lo", conta Ana Bela, voluntária da volta.

Desde 2009 existe uma Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem Abrigo, que levou à formalização de núcleos de resposta na maioria dos concelhos. Ainda assim, o reconhecimento desta área não tornou os balanços mais periódicos: o i pediu informação sobre casos sinalizados ao Instituto de Segurança Social, que diz que só tem dados sobre o ano de 2009, quando foram sinalizados 2133 sem-abrigo em Portugal. O Instituto sublinha ainda que tem estabelecido acordos de cooperação com instituições privadas de solidariedade social para centros de alojamento temporários e que em Maio havia 31 CAT com capacidade para cerca de 950 utentes.

Só Lisboa, pelos dados avançados pela câmara, esgota estas estatísticas. Mas há mais. Em Setúbal, revelou ao i a autarquia, foram sinalizados 91 sem-abrigo no levantamento de 2011 e em 2012 mais 71 casos. Em Faro, o primeiro levantamento sinalizou 68 processos e em 2012 somaram-se mais 38. No Seixal, indicou a associação local Criar-T, foram sinalizados 65 casos em 2011. Ainda não têm dados de 2012, mas sentem que há mais casos. Já a AMI sente que o aumento de sem-abrigo aconteceu sobretudo em 2010 e 2011 e nos últimos meses têm sinalizados menos casos. Em 2012 apoiaram 1683 pessoas, menos 132 que no ano anterior. No primeiro trimestre deste ano deram apoio a 825 sem-abrigo.

Para Fernando Marques, da Criar-T, o problema já não é de falta de plano, mas de compromisso. "Apesar de ser um documento bem elaborado, a estratégia nacional ainda não tem legislação aprovada. Até ao momento não recebeu um cêntimo. O que acontece no terreno tem a ver com mobilização das instituições, o que se tem mostrado insuficiente quando o objectivo do programa é que ninguém fique na rua mais de 24 horas."

Mas e se o objectivo for demasiado ambicioso? "Acho que devemos aspirar a isso. Há pessoas que dizem que estão na rua porque querem mas é uma atitude defensiva. Se calhar não encontrámos ainda a resposta certa para elas", diz Isabel Oliveira. Tem números que a fazem acreditar. Em 25 anos de história, a Comunidade Vida e Paz ajudou a reintegrar 1700 sem--abrigo.
Reacção defensiva ou não, parece impossível pensar no relento zero. Manuel, 61 anos, dorme no Rossio há duas semanas e, confessa, porque quer. Tem casa em Belas. A história começa lá atrás: o pai bebia, ele bebe, o filho mais velho também. Chateou-se com a mulher, porque toma o partido do filho, e saiu de casa para espairecer sem dinheiro ou comida. Acorda, vai lavar-se às casas de banho públicas e fica a pensar e a ler. Tira um livrinho do bolso. O título é "Perdoa-me". À noite espera a comida das carrinhas. Da outra vez que isto aconteceu o filho foi buscá-lo passado um mês.

Há quem esteja fugido da polícia, conta Pedro e quem queira apenas viver à margem. "Às vezes até dava para ir para a pensão, mas vou gastar dinheiro para quê? É como ter de pagar impostos, prefiro andar na feira." José, 68 anos, dorme há mais de um ano numa carrinha estacionada à porta do mercado de Arroios. Lá dentro, cobertores, sacos, lixo, um cheiro agoniante que se entranha na roupa. "Já vivi numa casa aqui na rua, mas prefiro estar aqui", diz. Tem uma reforma que dava para pagar alojamento. Tem uma filha, netos que vê de vez em quando. Diz que é uma escolha. O cheque da reforma é enviado para uma tasca ali perto. Gasta-o em comida e bebida.

O abrigo na estação

Entre tudo o que há a fazer, e nunca se resolverá de um dia para o outro, há imagens que se estranham. No acesso ao estacionamento subterrâneo da Gare do Oriente, num dia da semana, contam-se 40 pessoas enroladas em mantas e sacos-camas. Enchiam dois abrigos como o da AMI.

Como no aeroporto, haver tanta gente a dormir ali não é segredo para ninguém. Há regras e seguranças para as impor. Quem lá dorme guarda as coisas em carrinhos de supermercado, que a partir das 21h pode trazer para baixo. Às 6h têm de sair. Há uma ala de indianos, outra de romenos. Quem chega fica ao fundo ou onde há lugar. Esperam os sacos de comida para os esconder, se não de manhã desapareceram.
Gil, 54 anos, é dos poucos acordados perto da meia-noite e dos mais antigos. Dorme ali há nove anos. Como todos, tinha a vida dele até àquele depois. Era encarregado de uma firma de limpezas e fazia uns biscates por fora. Um dia, a limpar os vidros de um prédio num desses biscates, o cabo partiu e caiu do terceiro andar. O colega morreu e ele ficou com a perna atravancada. Como era por fora, não teve indemnização. Depois não voltou a trabalhar e deixou de conseguir pagar a renda da casa. Acabou na rua. "Habituamo-nos. Já estive bem e agora não tenho nada. Nunca se pode confiar muito, mas acabamos por ser uma família. Se aparece algum artista juntamo- -nos e pomo-lo fora."

A noite é calma. Gil conta que só há duas alturas em que o cenário é diferente: o dia em que alguns recebem o rendimento social de inserção e o dia em que caem as reformas. "Pagam-se dívidas e alguns gastam em bebida. Começa em festa e acaba em confusão." É assim, são as voltas que a vida dá, diz. "Espero que nunca aconteça. Para aquilo que já vivi, se fosse para me matar já o tinha feito." Com 38 anos de serviço, espera os 55 anos que fará a 12 de Novembro para meter os papéis da reforma e sair da rua.



Reiki cada vez mais usado em doentes com cancro

A terapia reiki é cada vez mais usada em doentes com cancro em Portugal para reduzir os sintomas da quimioterapia e ajudar ao relaxamento destes pacientes, segundo médicos e terapeutas.

No Hospital de São João, no Porto, o Conselho de Administração autorizou já a aplicação de terapia reiki aos doentes oncológicos em ambulatório, sendo aplicada por enfermeiros com formação naquela terapia alternativa e em regime de voluntariado.

(Notícia divulgada pela Agência Lusa – 05 Junho, 2013, 09:01)

O reiki é uma terapia japonesa que consiste em canalizar a energia colocando as mãos em cima do corpo e pretende promover o equilíbrio global, segundo a Associação Portuguesa de Reiki.
A médica oncologista Fátima Ferreira explicou à agência Lusa que os doentes em quimioterapia submetidos ao reiki dizem conseguir aguentar melhor os efeitos secundários, como náuseas e vómitos, e acabam por sentir-se mais relaxados, aceitando melhor a sua doença.

“Tem sido uma ajuda muito positiva para os nossos doentes. Mas isto não vai substituir qualquer tratamento de quimioterapia ou radioterapia, nem é esse o objetivo. Funciona como um complemento, como uma ajuda psicológica”, indicou a médica.

No Hospital de São João este projeto foi impulsionado pela Associação de Apoio aos Doentes com Leucemia e Linfoma, com base numa investigação realizada por uma enfermeira naquela unidade que demonstrou os benefícios do reiki para os doentes com cancro.
A terapia é disponibilizada, em regime de voluntariado, por enfermeiros do hospital com formação em reiki e não é fornecida pelo Serviço Nacional de Saúde.

Este projeto, que começou no ano passado, dirige-se sobretudo para os doentes oncológicos em ambulatório, mas tem sido também aplicado a pacientes em internamento.
Sónia Gomes, da Associação Portuguesa de Reiki, diz que existem diversos estudos científicos internacionais que “comprovam que a terapia reiki ajuda o processo de desintoxicação do organismo após a quimioterapia”.

Ainda não há dados sobre quantos doentes oncológicos em Portugal se submeteram a esta terapia complementar, mas Sónia Gomes dá conta de que têm sido assinados protocolos de colaboração com várias associações de doentes.

Exemplo disso é a Associação de Luta Contra o Cancro do Intestino – Europacolon Portugal, que passou a fornecer aos seus associados a possibilidade de terem sessões de reiki.
“Estamos ligados a uma doença que é uma tragédia, com 7.000 novos casos todos os anos e uma mortalidade superior a 11 casos por dia”, disse à Lusa o presidente da Europacolon, Vítor Neves.
Foi a partir de relatos e experiências de doentes oncológicos que esta associação chegou à conclusão de que o reiki poderia ajudar a “melhorar a vida e o conforto” de pacientes em quimioterapia.

“Decidimos, assim, disponibilizar aos nossos doentes, a custo zero, o acesso a esta terapia complementar, que pode ser solicitada através da nossa linha telefónica de apoio 808 200 199″, indicou Vítor Neves.
Segundo Sónia Gomes, da Associação de Reiki, chegam já a ser os próprios médicos a recomendar a esta terapia aos seus doentes, depois de terem observado ” bons resultados” noutros pacientes, sobretudo com benefícios a nível do humor e disposição.

Os estudos têm demonstrado “bastante sucesso” no bem-estar dos doentes em qualquer tipo de tumor, segundo indica a terapeuta: “O reiki acaba por equilibrar o sistema do corpo humano. A pessoa relaxa e isso provoca diminuição da corrente sanguínea, a oxigenação melhora e isso produz o tal estado de relaxamento profundo e de bem-estar”.

Atualmente, a Associação Portuguesa de Reiki tem cerca de uma centena de terapeutas disponíveis para fazer voluntariado a doentes oncológicos que estejam a ser submetidos a quimioterapia.

Por Lusa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...